Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Área do Utilizador
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Portugal resiste com menos dois corredores
Equipa Portugal
A segunda etapa da Volta a França do Futuro foi hoje um duro teste para a Equipa Portugal, que apenas alinhou com quatro corredores no contrarrelógio por equipas de 32,5 quilómetros, entre Eymet e Bergerac.

A queda que marcou o final da primeira etapa deixou fora da prova Afonso Silva, com uma lesão no pé direito, e Marcelo Salvador, vítima de traumatismo crânio-ecefálico. Portugal contou apenas com Francisco Campos, Jorge Magalhães, Gonçalo Carvalho e Guilherme Mota, também vítima de queda ontem, para o exercício coletivo desta tarde.

Os portugueses completaram o exigente percurso em 41m43s, ficando a 3m38s dos suíços, que se impuseram, com 38m06s. A Noruega ficou no segundo posto, a 28 segundos, enquanto a Dinamarca defendeu com eficácia a camisola amarela de Mathias Norsgaard Jorgensen, com o terceiro lugar no contrarrelógio, a 47 segundos dos vencedores. A Equipa Portugal foi a 24.ª entre as 26 formações presentes.

Gonçalo Carvalho é o melhor português na geral, ocupando o 102.º lugar, a 3m42s de Mathias Norsgaard Jorgensen. Jorge Magalhães, 105.º, e Guilherme Mota, 108.º, também estão a 3m42s do camisola amarela. Francisco Campos é 141.º, a 11m46s.

“A queda de ontem foi um rude golpe para nós e vai condicionar o resultado que aqui obteremos Não vamos, contudo, baixar os braços. Teremos de correr com inteligência, com os quatro ciclistas que temos à disposição, de modo a estarmos o mais na frente possível nas etapas mais difíceis. A boa notícia de hoje é que o Guilherme Mota, apesar da queda de ontem, sentiu-se muito bem durante o contrarrelógio por equipas”, revela o selecionador nacional, José Poeira.

A terceira etapa, uma ligação de 162,3 quilómetros, entre Montignac/Lascaux e Mauriac, a disputar neste sábado, pode considerar-se uma jornada de média montanha. A fase final será a mais exigente, com uma subida de terceira categoria a um quilómetro da chegada.
2019-08-16 - 16:16:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
120 Anos FPC
Ciclismo Vai Escola
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais