Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Área do Utilizador
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Volta a Portugal equipa a equipa
Estrada
A 81.ª Volta a Portugal será disputada por 19 equipas. Neste artigo apresentamos todas as formações, destacando o que poderemos esperar decada uma delas ao longo dos 11 dias de competição.

W52-FC Porto
País: Portugal
Categoria: Continental Profissional
Ranking UCI: 48.º
É a estrutura vencedora das últimas seis edições da corrida. Em 2019 apenas conta com o ciclista que lhe deu o triunfo em 2014 e em 2015, Gustavo César Veloso, inicialmente colocado como suplente. Apesar disso, a W52-FC Porto parte como favorita, pois apresenta o bloco mais forte, numa edição da prova em que a poderio coletivo será determinante, devido à extrema dureza do percurso. António Carvalho, Edgar Pinto e Gustavo César Veloso deverão ser as principais armas na luta pela geral, num bloco em que vários elementos têm potencial vitorioso. As últimas três conquistas foram alcançadas graças a ataques que surpreenderam a concorrência, em etapas que, teoricamente, não seriam decisivas. Esta forma de correr abre o espectro de possibilidades dentro da equipa e Ricardo Mestre, recente vencedor do GP Jornal de Notícias, e João Rodrigues, triunfante na Volta ao Alentejo, podem ver o estatuto reforçado entre os “dragões”.

Israel Cycling Academy
País: Israel
Categoria: Continental Profissional
Ranking UCI: 24.º
Os israelitas são a formação com melhor ranking coletivo do pelotão voltista. No entanto, estarão fora da Volta os dez corredores cujos pontos contribuem para o bom posicionamento da equipa na classificação mundial. A exclusão de última hora do vencedor do Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela, Edwin Ávila, convocado para o Tour de Utah, desfalcou a Israel Cycling Academy, cujo protagonismo ficará mais dependente da capacidade do norueguês August Jensen para intrometer-se nas escassas batalhas previstas para os sprinters.

Team Arkéa-Samsic
País: França
Categoria: Continental Profissional
Ranking UCI: 27.º
A equipa francesa é dos coletivos forasteiros que se apresenta com melhor elenco na Volta a Portugal, num conjunto de corredores ainda sem contrato para 2020 e a precisar de mostrar serviço. Brice Feillu foi sexto na Volta a Portugal de 2012 e 16.º no Tour de France em 2014 e 2017. Está a viver a segunda época consecutiva de algum apagamento e precisa de apresentar resultados, tanto que já confirmou em público procurar equipa para a próxima época. Será o chefe-de-fila. A equipa é também formada por um conjunto apreciável de homens rápidos, que prometem bater-se pelas três chegadas previsivelmente para sprinters. O mais cotado de todos é Maxime Daniel, vencedor da etapa de Castelo Branco da Volta em 2013, mas também há que contar com Clément Russo e mesmo com Bram Welten.

Caja Rural-Seguros RGA
País: Espanha
Categoria: Continental Profissional
Ranking UCI: 32.º
O português Domingos Gonçalves será a referência do coletivo espanhol, podendo apontar às etapas seletivas e intrometer-se na luta pelo top 10. O trepador Sergio Pardilla seria um homem importante para a geral, não se desse o caso de chegar à Volta a Portugal apenas com 13 dias de competição em 2019, sete dos quais na Vuelta a San Juan, no início do ano. O italiano Matteo Malucelli e o colombiano Nelson Soto são homens a ter em conta nas chegadas em pelotão.

Euskadi Basque Country-Murias
País: Espanha
Categoria: Continental Profissional
Ranking UCI: 43.º
Os bascos chegam a Portugal com um efetivo jovem, totalmente formado por corredores com menos de 30 anos. Mikel Aristi tem boa ponta final será um dos interessados nas chegadas para homens rápidos. Héctor Sáez e Mário González são as armas para a difícil missão de colocar alguém nos dez mais.

Medellín
País: Colômbia
Categoria: Continental
Ranking UCI: 52.º
A equipa colombiana é uma das incógnitas da Volta a Portugal. Surge com um bloco experiente, adaptado ao calor, às corridas com tantos dias como esta e à montanha. No entanto, os melhores elementos da Medellín acabam de chegar da China, onde dominaram a Volta ao Lago Qinghai. Ou seja, a Volta a Portugal serão 11 dias de competição que se somam aos 13 da prova asiática, que já sucedera às 13 etapas da Volta à Colômbia. A isso acresce a mudança horária e a longa viagem para Portugal. Só o passar dos dias permitirá saber o papel reservado aos representantes da Colômbia.

Amore & Vita-Prodir
País: Letónia
Categoria: Continental
Ranking UCI: 61.º
A formação letã de base italiana compete pelo segundo ano consecutivo na Volta a Portugal. Há um ano, Pierpaolo Ficara foi dos mais combativos, embrenhando-se em fugas consecutivas. É um trepador que, em dias de inspiração, sobe com os melhores. Será um ciclista a seguir com atenção, o mesmo se podendo dizer de Marco Tizza, que coleciona lugares de mérito em provas seletivas.

Sporting-Tavira
País: Portugal
Categoria: Continental
Ranking UCI: 67.º
O Sporting-Tavira faz uma aposta forte na luta pela geral da Volta. Para esse objetivo e tendo em conta a dureza do percurso, foi sacrificado o sprinter da equipa, em favor de um bloco talhado para as montanhas e para a desejável – na perspetiva de Vidal Fitas – necessidade de controlar a corrida em caso de sucesso. Tiago Machado e Frederico Figueiredo são as principais figuras, tendo o apoio de homens experientes como Alejandro Marque, José Mendes ou David Livramento.

Swiss Racing Academy
País: Suíça
Categoria: Continental
Ranking UCI: 78.º
Uma equipa muito jovem, na qual a maioria dos corredores não tem experiência em provas com mais de uma semana, o que indicia as dificuldades por que passarão os helvéticos. Gian Friesecke promete ser a referência para a geral.

Efapel
País: Portugal
Categoria: Continental
Ranking UCI: 93.º
Olhando ao percurso da Volta e aos desempenhos ao longo de toda a época, Joni Brandão surge como o principal candidato ao triunfo. No entanto, como se viu no Grande Prémio Jornal de Notícias, ser o homem mais forte do pelotão não significa ganhar a corrida. Joni Brandão e a Efapel aprenderam-no, pelo que na Volta a Portugal terão de ancorar a ambição no trabalho coletivo. Henrique Casimiro e Sérgio Paulinho são os principais escudeiros do chefe-de-fila. Rafael Silva terá a oportunidade de experimentar os dotes de velocista nas jornadas que fechem ao sprint.

ProTouch
País: África do Sul
Categoria: Continental
Ranking UCI: 94.º
Equipa de perfil jovem. Corredores como Clint Hendricks, Jayde Julius e Kent Main têm alguns bons resultados e vitórias no circuito continental africano. Mas o ritmo na Europa é diferente, como esta formação já teve oportunidade experimentar no Troféu Joaquim Agostinho, onde o máximo que conseguiu foi andar um dia com a camisola da montanha.

Aviludo-Louletano
País: Portugal
Categoria: Continental
Ranking UCI: 111.º
Vicente García de Mateos é o chefe-de-fila assumido, apesar de chegar à Volta com apenas uma vitória em 2019. Sabe-se, contudo, que o espanhol se supera na corrida mais desejada do calendário português, na qual ganhou três etapas e foi terceiro na geral em 2018. A consistência de David de la Fuente, Óscar Hernández e Luís Fernandes forma a retaguarda principal no apoio ao chefe-de-fila.

Rádio Popular-Boavista
País: Portugal
Categoria: Continental
Ranking UCI: 128.º
A equipa portuense tem em João Benta a principal aposta para a geral. O ciclista natural de Esposende, sexto em 2018 e sétimo um ano antes, aspira a subir na tabela e a colocar-se num dos lugares do top 5 final. David Rodrigues, Daniel Silva e Hugo Nunes poderão dar uma ajuda nos dias mais duros. Luís Mendonça será a referência axadrezada nas chegadas ao sprint, sobretudo nas mais exigentes e não propícias aos velocistas puros.

Equipo Euskadi
País: Espanha
Categoria: Continental
Ranking UCI: 154.º
A equipa continental de formação do País Basco surge em Portugal com a identidade que lhe é própria, ou seja, com um coletivo marcado pela juventude. Txomin Jurasti, sexto na Volta ao Alentejo deste ano e segundo na Volta a Portugal do Futuro de 2017 terá a missão de procurar um brilharete. Unai Cuadrado é um bom trepador, no contexto dos sub-23, candidatando-se à classificação da juventude.

UD Oliveirense/InOutBuild
País: Portugal
Categoria: Continental
Ranking UCI: 159.º
O bloco chefiado por Manuel Correia carateriza-se pela oportunidade de evolução dada aos jovens portugueses, motivo pelo qual será com naturalidade que veremos a UD Oliveirense/InOutBuild a candidatar-se à classificação da juventude. O toque de maior experiência, ainda assim com corredores com menos de 27 anos, é dado pelo colombiano Juan Felipe Osorio e pelo espanhol Josu Zabala.

Vito-Feirense-PNB
País: Portugal
Categoria: Continental
Ranking UCI: 164.º
A equipa feirense dispõe de homens para lutar pelo protagonismo. O espanhol Jesús del Pino revelou excelente condição na Clássica de Ordízia, na qual foi segundo classificado, e será um corredor a ter debaixo de olho na montanha, devendo ser visto como forte candidato ao top 10. João Matias é uma referência para as chegadas em pelotão.

BAI Sicasal Petro de Luanda
País: Angola
Categoria: Continental
Ranking UCI: 204.º
Os portugueses Micael Isidoro e Guillaume Almeida são as referências da equipa que representa Angola. O desempenho que temos visto da BAI Sicasal Petro de Luanda nas diversas provas disputadas em Portugal autoriza-nos a antecipar que será um coletivo apostado em dar nas vistas, com a combatividade suficiente para se mostrar em fugas.

LA Alumínios-LA Sport
País: Portugal
Categoria: Continental
Ranking UCI: 205.º
A juventude é a impressão digital da LA Alumínios-LA Sport. A combatividade tem sido uma constante deste bloco ao longo da temporada e essa caraterística deverá manter-se na Volta a Portugal, grande palco para os patrocinadores e para os ciclistas. Há neste coletivo corredores que, certamente, ambicionam bater-se pelo estatuto de melhor jovem da competição. O corredor mais experiente, António Barbio, ainda não completou 26 anos, mas já sabe o que é vencer uma etapa na Volta a Portugal.

Miranda-Mortágua
País: Portugal
Categoria: Continental
Ranking UCI: -
Outra equipa que se afirma pela juventude, embora apresente um veterano para capitanear os companheiros em corrida, Hugo Sancho. Daniel Freitas e o reforço venezuelano Leangel Linarez são apostas para que a Miranda-Mortágua assuma protagonismo nas chegadas ao sprint.

Lista de Participantes: Clique Aqui
2019-07-30 - 12:12:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
120 Anos FPC
Ciclismo Vai Escola
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais